quarta-feira, 16 de maio de 2012

Crônica argumentativa-8º ano


“De notícia e não notícias se faz a crônica”, afirmava o poeta e cronista Carlos Drummond de Andrade. E quando nenhum assunto ocorre à mente do cronista? O jeito é transformar a falta de assunto em assunto...
Muitos cronistas já se queixaram em suas crônicas da falta de assunto, do famoso “branco” que os acomete, certamente consequência do fato de a maioria das crônicas ser uma obrigação semanal que seus autores devem cumprir e, portanto, não podem deixar para escrever em momento de inspiração. A arte do cronista, então, passa a consistir emm fazer do seu problema uma solução: dando “branco”, escreve-se sobre o “branco”.
Conforme vimos, a crônica é um texto geralmente curto que apresenta a visão pessoal do cronista sobre um fato colhido no noticiário de jornais ou revistas ou no cotidiano. 
Diferentemente das crônicas narrativas ficcionais, a crônica argumentativa não se limita a narrar um fato de modo particular. Ela vai além, pois nela o cronista expõe seu ponto de vista sobre o assunto.
A crônica argumentativa é aquela na qual o objetivo maior do cronista é relatar um ponto de vista diferente do que a maioria consegue enxergar. 

Ele, usufruindo-se do bom humor mesclado a toque sutil de ironia, aposta no intento de fazer com que as pessoas vejam por outra “face” aquilo que parece óbvio demais para ser observado. 
Seu caráter discursivo gira em tono de uma realidade social, política ou cultural, onde esta realidade é verbalizada em forma de protesto ou de argumentação, quase sempre envolta por um tom até mesmo sarcástico, no intento de criticar as mazelas advindas da esfera social. 
Essa mesma realidade é avaliada pelo autor da crônica e uma opinião é gerada, quase sempre com um tom de protesto ou de argumentação. Esse tipo de crônica pode ser simplesmente argumentativa, e dispensar o uso da narração. É possível que percam-se assim, elementos típicos do gênero como personagens, tempo, espaço.
Sendo assim, podemos identificar duas maneiras de se produzir uma crônica: a primeira é a narrativa, que como já foi dito, conta um fato do cotidiano, utilizando-se de personagens, enredo, espaço, tempo, etc. A outra maneira é a crônica dos textos jornalísticos, é uma forma mais moderna do gênero, e, ao contrário da outra, não narra e sim disserta, defende ou mostra um ponto de vista diferente do que a maioria enxerga.
As semelhanças entre as duas são justamente o caráter social crítico, abordando sempre uma maneira de enxergar a realidade, e o tom humorístico, irônico ou até mesmo sarcástico. Podem se utilizar, para esse objetivo, de “personagens tipo”, da sociedade que criticam.
CARACTERÍSTICAS DA CRÔNICA ARGUMENTATIVA
 Tipo de gênero textual que reúne características de crônica e de texto argumentativo;
 Apresentação do assunto ou controvérsia a ser discutida, normalmente, no início do texto;
 Posicionamento do cronista sobre o assunto em questão;
 Exposição de argumentos que fundamentam o ponto de vista do autor;
 Conclusão surpreendente, criativa, ou conclusão-síntese, que retoma as ideias do texto e confirma o ponto de vista defendido;
 Tratamento subjetivo do tema, deixando perpassar a sensibilidade e as emoções do cronista;
 Linguagem criativa e figurada, geralmente de acordo com o padrão culto informal da língua.

4 comentários: